Qual a relação entre atenção e decisão? Há muitos estudos académicos trabalhando essa relação. Desde um trabalho fulcral de William Ocasio de 1997 (Towards an attention‐based view of the firm) que uma variedade de pesquisadores tem se dedicado a relacionar a boa atenção à adequada e eficaz tomada de decisão nas organizações. São vários os elementos que se relacionam, dando ao assunto uma variedade de interpretações e ligações, tais como a aprendizagem organizacional, a gestão do conhecimento, a relação com os stakeholders e alta direção. Portanto, não há mais como negar que existe um elo considerarem entre o funcionamento da atenção e as boas decisões.

Para responder o título, que lembra aquela antiga propaganda de biscoito que foi vinculada no Brasil de que “o biscoito é chocante porque vende mais ou ele vende mais porque é chocante“, podemos dizer que ambas estão certas: não dá para decidir bem sem boa atenção. Abrir mão de uma atenção de qualidade e tomar decisão é como jogar dados ou roleta em um cassino. Vai ter hora que se acerta e vai tem momentos em que se erra. E atrevemos a dizer que as chances de erro tendem a ser bem maiores que as de acerto quando nos aliamos à má atenção, distração e focos enviesados e equivocados.

Se esse tema despertou sua atenção, então significa que acredita ser importante o exercício de uma atenção de qualidade quando se está em pleno processo decisório. Daria para continuarmos nesse tema por mais algumas páginas e mesmo escrever um livro sobre isso, mas vamos ficar por aqui para não perder o foco do nosso blog. Mas voltaremos a esse assunto em outros posts. Nos acompanhe para ver e aproveite também para comentar, compartilhar, curtir e nos ajudar a difundir a boa atenção!