Essa arte tem suas demandas e cuidados. Quando damos atenção de baixa qualidade, pode até ser que não percebamos, mas com certeza, quem a recebe, saberá que não estamos nos esforçando para dar a atenção no nível que ela gostaria. E isso, pode ter más consequências! Quantos não são os casos de subordinados que passam a não gostar mais de seus chefes depois que são ignorados ou recebem uma atenção de baixa qualidade? E nisso, a motivação e a produtividade caem e o clima vai se deteriorando. Lá na frente, há uma crise e ao se analisar a origem dessa, muitas vezes não se percebe que começou com uma má prática de atenção entre as pessoas.

Por essas e outras, procure ter o cuidado de dar atenção sempre de qualidade. Caso se sinta incapaz de o fazê-lo naquele momento, dialogue com o outro e veja se é viável conversarem outra hora. Ou solicite para a pessoa mandar um e-mail explicando e daí irão sentar para conversar. Entende? Mas se perceber que não é hora de adiar, reveja sua agenda e dedique atenção à pessoa. É uma questão de bom senso e percepção. Mas nunca ceda à tentação de dar uma atenção “meia-boca”!

Se você quer ver o quanto isso é verdade e importante, se coloque no lugar da outra pessoa. Um exercício empático desse será capaz de lhe mostrar que não é nada legal conversar com alguém que não está te dando a devida atenção. Vem uma sensação de que não se é importante para aquela pessoa, ou que o assunto não tem a relevância que você acha que tem ou mesmo, que o interlocutor não lhe dá valor.

Agora, estando como receptor de uma atenção, faça o devido papel de se manter atento ao que lhe está sendo passado. Não olhe para os lados o tempo todo, nem consulte seu celular ou responda a outra pessoa. Se mantenha focado em quem está falando com você e busque o melhor e mais eficaz diálogo. Você vai ver que os equívocos e mal entendidos irão passar a ser mais raros em sua vida e as outras pessoas passarão a lhe ver como alguém que respeita o próximo e se dedica à boa comunicação.

Experimente!!!