Dar atenção a algo ou pessoas que em nada contribuem para nossa vida ou mesmo que apenas nos desgastam é algo que bons gestores da atenção se preocupam em não praticar. Cientes de que tempo e energia são elementos que demandam bons investimentos, deixam que essas situações se tornem as mais raras possíveis e, quando são inevitáveis, lidam com elas de modo a gastar o menor tempo possível, com desgaste energético mínimo.

Ficar com raiva, triste ou ansioso por coisas que podem ser trabalhadas de modo inteligente a ponto de não causarem danos é uma arte da pessoa atenta. Quando percebem que as intenções do outro não são das melhores, se blindam e lidam cuidadosamente, tendo a atenção dirigida para que se tenha a situação mais controlada em termos da duração e impactos negativos da mesma.

Quando nos deixamos levar por conversas tolas, fúteis e pouco úteis, nos contaminamos dessa superficialidade, perdendo tempo e tendo nossa atenção consumida com poucos resultados. Por isso o atento não perde tempo com coisas e pessoas que apenas lhes consomem a atenção e energia vital.