O que vale não é o que dizemos, mas sim o que os outros compreendem. O sucesso da comunicação está no receptor, por isso, a importância do emissor ter uma atenção cuidadosa com o conteúdo que emite, no sentido de que facilite e amplie as possibilidades de que a compreensão obtida se aproxime ao máximo da real intenção da comunicação emitida.

Mas isso não é nada fácil! Muitas vezes, achamos que fomos bem claros e diretos e daí percebemos que a compreensão do outro foi bem diferente do esperado. Afinal, o que o outro recebe é fruto da qualidade de sua atenção, bem como por seu grau de interesse no conteúdo e/ou no emissor e ainda, de que modo o conteúdo é percebido por seu mindset. Por vezes, uma palavra mal interpretada pode levar ao comprometimento de toda uma comunicação. Em outras, a pessoa recepcionou com sua atenção apenas parte do que lhe foi emitido e daí, completou o conteúdo procurando lhe dar algum sentido, porém, de forma equivocada.

A comunicação também é influenciada pelo meio. Pode haver no trânsito entre emissor e receptor elementos que comprometem a transmissão, gerando resultados bastante diferentes do esperado, tal como acontece na brincadeira do “telefone sem fio”. Por isso, a pessoa atenta tem um cuidado redobrado em suas relações, procurando se cuidar para que a emissão seja a mais compreensível possível, que o canal seja o mais limpo e fluido e que a hora, local e condições sejam as mais propícias à boa recepção e compreensão. Faz parte do DNA do atento a ação cuidadosa de comunicar-se com o outro!