Se há algo que mata qualquer esforço de pratica de uma boa atenção é a constante ocorrência de interrupções. Quando somos interrompidos, há uma quebra de foco, de raciocínio, de energia concentrada a algo e um esforço posterior para retorno ao foco antigo. E com um agravante: gera o que os estudiosos chamam de residuos de atenção, ou seja, vamos criando meio que uma “lixeira de focos quebrados”, com fragmentos de atenção que permanecem em nosso subconsciente, reduzindo nosso poder de foco e concentração.

Portanto, faça o que puder para que as interurpções sejam minimizadas. Há as que não podem e não devem deixar de acontecer, mas são raras e críticas, fugindo da maioria que é evitável. Quando o fluxo de atenção acontece por completo, há um resultado para entrega, a motivação por ter sido pleno e eficiente recarrega nossa energia e nos remete para o próximo foco com mais fé e animação.

As interrupções devem ser pensadas antes e, portanto evitadas. Se for um telefone, deixe no silencioso. Se for emails e avisos, desabilite-os temporáriamente. Se for outras pessoas, combine com elas que não deseja ser interrompido por um certo período de tempo ou se desloque para um local menos apto a interrupções. Enfim, trabalhe pela atenção de qualidade, sem quebras e com a devida concentração e eficácia.

Gerenciar a atenção é algo muito útil. Talvez mais útil do que você pense!