Em termos de atenção, fluímos entre quatro situações específicas em nossos momentos de vigília. Cada momento ou situação, com suas características, demandas e exigências. São elas: Captar, Dar, Manter e Trocar.

  • CAPTAR: Essa vem se tornando a grande arte a ser desenvolvida e aprimorada no mundo atual. Conseguir que alguém dê atenção para algo que você deseja, vem se tornando o grande desafio na vida moderna, em especial no tocante às ações digitais. 
  • DAR: Essa é a outra face da moeda, ou seja, a que se escolhe dar ou não atenção em meio a uma realidade altamente disputada de atenção como a que vivemos atualmente. Se não ficarmos “atentos”, acabamos desperdiçando nosso precioso recurso com coisas que não valem a pena, deixando de focar no que seria realmente necessário e importante.
  • MANTER: Parece banal, mas não é. A permanência em determinado foco exige escolhas, algumas a cada segundo e também a manutenção da mesma pela forma, intensidade e tempo mais adequadas. Aqui reside uma parte valiosa de nossa prática atencional!
  • TROCAR: Uma das consequências do manter a atenção é a decisão entre ficar ou mudar de foco de atenção. É algo contextual mas também comportamental, ou seja, podemos ser levados a trocas ou nos direcionarmos para trocas de modo consciente ou não.

O fato é que muitos tem a crença de que são atentos inatos e que portanto, não precisam se dedicar à própria atenção. Se acham prontos e verdadeiros campeões da boa atenção, não o sendo. Cada momento destes requer esforços e práticas atencionais específicas, algo que demanda boa percepção, cognição, decisões e prática.

É nesta seara que flui e atua a Gestão da Atenção. Se deseja saber mais, siga-nos em nossas redes sociais e acompanhe nosso site onde sempre estão surgindo novas informações e ensinamentos a respeito.