Os desafios impostos pela pandemia em termos do trabalho, estudo e demais questões à distância, trouxe uma nova luz e importância à questão de como podemos ter a atenção a nosso favor, ou contra nós.

Neste momento COVID de nossas vidas, ganhamos o tempo gasto nos deslocamentos, reduzimos nosso stress em termos de trânsito e movimentações, deixamos de ter um controle e supervisão externa maior sobre nosso trabalho, pelo menos em termos físicos e ambientais e disso tudo surge a pergunta: Será que com isto tudo tivemos aumento de nossa produtividade? 

Muito provavelmente, não! Senhores de nosso espaço e tempo, com limitação de movimentações externas, nos vimos no que parecia ser, a princípio, um paraíso para se trabalhar. Mas, qual será efetivamente o saldo deste novo contexto? Será ele maior em ganhos ou perdas? 

Vai depender de como foi que procedemos a prática da nova realidade de trabalho remoto em termos dos desafios da concentração, foco e resultados, em contraponto com a atenção difusa, dividida e recheada de confortos e distrações em nosso lar. E também de como lidamos com o fato de estando em casa, termos lidados com as demandas e situações familiares que não lidávamos tão direta e intensamente como quando estávamos trabalhando no escritório. Coisas como fazer nossa comida, fazer ou apoiar a limpeza e manutenção da casa, estarmos em processo de apoio aos filhos nos estudos, sermos demandados ou nos vermos com demandas que normalmente não passavam por nossas atividades cotidianas.

Será que em meio a este ambiente que antes era de vivência, convivência, lazer e descanso, foi possível incluir o trabalho sem que isto se tornasse um problema ou afetasse de modo mais intenso as outras realidades da casa? Pois então, é muito provável que se a pessoa tiver tido um maior preparo para lidar com sua atenção, tenha obtido mais resultados e menos conflitos.

Quando estamos mais conscientes e conectados com nossa atenção e entendemos suas exigências e formas de funcionamento, nos habilitamos a fazer uma leitura do ambiente e das demandas de um modo mais rico, percebendo quais as efetivas prioridades, urgências e perfis de demandas, e ainda, de como tratar o ambiente para que as ações aconteçam com menor grau de distrações e interrupções. Daí, o gerenciar a que, como, quando e por quanto tempo dedicar atenção acontece com maior naturalidade e pertinência.

Como reativos e tarefeiros, podemos acabar o dia tendo lidado com as demandas de um modo tão incorreto, que podemos nos sentir cansados de tanto trabalhar e com uma pilha de demandas urgentes e importantes maiores que as do início do dia e o pior, com quase todas que já estavam ali no começo do dia ainda por fazer!

O problema da desatenção, má atenção e escolhas ruins de foco nos consomem de um modo cada dia mais intenso. Se não nos cuidarmos, o stress aumentará, trazendo como uma das consequências a elevação de nossa tensão e a redução da qualidade de nossa atenção e lógico, uma queda de nossa produtividade, efetividade e bem estar.

Gerenciar bem nossa atenção é fundamental para que possamos, em qualquer ambiente, situação e demanda, dedicar atenção correta e de qualidade para aquilo que realmente merece e carece de nossa preciosa, limitada e importante atenção. Nos acompanhe em nosso blog e redes sociais e aumente seu foco em termos de como ser uma pessoa e profissional mais atenta, eficaz e satisfeita perante os desafios da vida e trabalho moderno.